5 dicas de finanças para negócios B2B

Por Diego Cordovez

 

Cada tipo de empresa tem suas particularidades, e entre negócios B2C (os que têm uma pessoa física como consumidor final) e negócios B2B (os que vendem a outras empresas), muita coisa é diferente: os processos de marketing, vendas, atendimento ao cliente e, claro, de finanças. Nesse post separamos algumas dicas sobre finanças para negócios B2B que vão ajudar novos empreendedores. Acompanhe!

 

  1. Aproveite a recorrência dos pagamentos

As vendas de empresas B2B costumam ser mais regulares. A menos que haja algum problema ou insatisfação por parte do cliente, ele com certeza voltará a fazer negócios com a sua empresa. Afinal, ele sempre vai precisar de insumos, matéria-prima e produtos para revenda.

Por esse motivo, as vendas B2B permitem que você conte com pagamentos recorrentes. A periodicidade varia: pode ser mensal, semestral ou até anual. Mas você sabe que, no próximo período, uma nova venda deve ocorrer. Esse fator de recorrência é positivo pois ele resulta diretamente em uma estabilidade de receita e um melhor planejamento.

Ao mesmo tempo, é perigoso criar uma dependência com as vendas a clientes regulares e esquecer de desenvolver novos negócios. Por isso, os negócios B2B precisam se concentrar em duas frentes: excelência no atendimento – para manter as vendas e pagamentos recorrentes – e proatividade na prospecção de novas oportunidades, para ampliar o número de clientes.

 

  1. Aproveite a previsibilidade das entradas

Como você já deve ter percebido, a recorrência de vendas e pagamentos permite que empresas B2B tenham previsões mais exatas de receita futura. E nós já mencionamos que é importante também fazer um esforço para desenvolver novos negócios. Aaron Ross juntou estes dois elementos para criar um método que permite aumentar as vendas de maneira escalável sem precisar de ligações (“cold calls”) ou de altos investimentos em marketing.

O método de Aaron está descrito em seu livro “Predictable Revenue”, e embora trabalhe com conteúdo de vendas, ele é essencial para qualquer negócio que deseje alcançar um melhor resultado financeiro. Sua proposta é otimizar o trabalho comercial para aumentar a receita da empresa de uma maneira previsível. E, quando a receita é previsível, as finanças podem ser controladas para se manterem saudáveis.

 

  1. Saiba como controlar o fluxo de caixa de um negócio B2B

O fluxo de caixa de uma empresa B2B geralmente é mais complexo do que em uma empresa B2C. Em primeiro lugar, quantidades e valores de compra e venda são muito altos, e os prazos de entrega são mais longos. Por isso, tudo precisa ser planejado a longo prazo.

Um negócio B2B pode ter clientes com compras programadas para um período de seis meses ou um ano.  Ou seja, é preciso fazer o controle do fluxo de caixa para um tempo maior. A única maneira de fazer isso de forma produtiva é com uma contabilidade eficiente e um bom sistema de gestão financeira.

 

  1. Saiba programar as finanças da empresa

Empresas ou startups B2B precisam programar suas finanças seguindo dois princípios básicos: utilizar os dados mais precisos disponíveis, e fazer previsões conservadoras. O controle também é um elemento essencial: todas as fontes de custo e receita precisam ser contabilizadas e estudadas.

Busque referências reais para programar suas finanças. Use a contabilidade de períodos anteriores para que suas previsões de gastos e receitas sejam mais eficientes. Você também pode trabalhar com referências de outras empresas de porte e segmento semelhantes, especialmente no caso de startups, que ainda não possuem muitos dados próprios.

Ao programar finanças, leve em consideração fatores externos. Quando se fala em finanças para negócios B2B, a variação cambial, a inflação e incertezas no mercado afetam fortemente as vendas. Por consequência, a receita e todo o planejamento financeiro também sentem efeitos colaterais. Esteja atento ao que acontece no mundo e incorpore estes dados na hora de fazer previsões.

 

  1. Comprometa-se com o plano

Uma das mortes mais comuns entre startups é que várias delas ficam sem dinheiro e não conseguem equilibrar o caixa antes da falência. Isso por si só já é um fato que assusta empreendedores e é muito comum observar um fenômeno: devido a economias exageradas a startup vira um “morto-vivo”, sobrevivendo ao longo dos meses sem tração e sem sair do lugar.

Por isso é importante comprometer-se com o plano estipulado: não corte orçamentos de marketing nem contratações se você programou. Elas podem justamente ser o diferencial num momento de crise. Nem todas as situações de emergência exigem freio, pois muitas vezes tudo que sua empresa precisa é pisar no acelerador e ganhar mais clientes.

Cumpra o plano, invista e cresça rápido. Essa é a única saída para um negócio de sucesso!

Para saber mais sobre finanças para negócios B2B, acesse o Blog da Viddheo

Quer vender mais? Aprenda a utilizar o Canvas!

Você sabe como funciona o Canvas e como esta estratégia pode ser utilizada para aumentar as vendas da sua empresa? Esta é uma ideia proposta por Alexander Osterwalder, um teórico suíço muito conhecido por seus trabalhos envolvendo a criação de modelos de negócios. O Canvas é uma eficiente ferramenta de planejamento estratégico, que permite a visualização dos principais conceitos e propostas de valor de uma empresa.

Como o Canvas pode ajudar a aumentar suas vendas

Bussiness Model Canvas, ou simplesmente Canvas, é uma ferramenta utilizada para descrever negócios. É uma espécie de mapa, formado por nove blocos pré-formatados. Estes blocos reúnem as principais informações acerca da empresa e dos processos utilizados por ela. Quais são os clientes foco, qual é o valor que o negócio gera para o mercado e quais são os custos para manter a empresa são alguns dos dados organizados pelo Canvas. Saiba mais sobre os nove blocos que fazem parte da estrutura desta ferramenta:

  • Proposta de valor – qual é o valor gerado pela empresa para os clientes? Como ela se diferencia das outras marcas que atuam na mesma área?
  • Atividade-chave – quais são as atividades mais importantes para que a empresa possa cumprir sua proposta?
  • Recursos principais – o que é necessário para que a empresa desenvolva suas atividades-chave?
  • Parcerias principais – o que é preciso terceirizar? Quais são as alianças de negócios feitas para que as atividades da empresa sejam desenvolvidas?
  • Fontes de receita – como a empresa ganha dinheiro? Quais são os rendimentos do negócio?
  • Estrutura de custos – quais são os custos envolvidos nas atividades da empresa? Quanto em dinheiro é necessário para manter a estrutura do negócio?
  • Segmento de clientes – qual é o público-alvo para o qual os serviços e produtos desenvolvidos se destinam?
  • Os canais – quais são os hábitos de consumo dos clientes foco da empresa? Este é um ponto importante para as estratégias de marketing da marca.
  • Relacionamento com o cliente – como a empresa se comunica com cada perfil de cliente?

 

Utilize o Canvas para alcançar mais clientes

Não existe estratégia de marketing ou de vendas eficiente sem planejamento. Para criar um plano de comunicação assertivo, é necessário conhecer o cliente e saber o que ele espera receber da empresa. Com o uso do Canvas, é possível organizar todas as informações necessárias para garantir que o negócio, além de bem estruturado, cumpra sua proposta e realmente gere valor para o mercado.

Utilize o Canvas para conhecer melhor as pessoas que consomem os seus produtos e traçar estratégias direcionadas para este público-alvo. Os canais que os clientes usam para chegar aos seus produtos são outro exemplo de informação relevante visualizada no Canvas. Se você sabe quais são as principais mídias utilizadas pelo seu público, sabe quais são os locais em que vale a pena divulgar sua marca para atrair mais clientes. Quanto mais clientes você atrai, mais vendas a empresa faz!

O que você acha desta ferramenta de planejamento estratégico? Que tal começar a usá-la a favor das vendas do seu negócio?

Conheça as vantagens do cartão BNDES

Através do cartão fornecido pelo Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), micro, pequena e médias empresas podem utilizar o crédito concedido para a utilização em investimentos no próprio negócio, bem como para adquirir produtos habilitados no credenciamento.

Quais são as vantagens do cartão BNDES?

O cartão BNDES disponibiliza crédito rotativo e pré-aprovado com juros baixíssimos fornece inúmeras vantagens para o crescimento de uma empresa. Confira:

Adquirindo o cartão BNDES

É necessário que a empresa não tenha um faturamento bruto anual que exceda a R$ 90 milhões. Além disso, deve ser sediada no Brasil, tendo o controle nacional, e atividade desempenhada esteja de acordo com as políticas do BNDES. Por fim, é obrigatório que esteja tudo regularizado no INSS, RAIS, FGTS e com a tributação federal.

Esse cartão é emitido pelos seguintes Bancos e bandeiras: Banco do Brasil (Elo), Banco do Nordeste (Visa), Santander (Visa), Banrisul (Visa), Bradesco (Elo), Brde (Cabal), Caixa (Mastercard), Itaú (Mastercard), Siccob (Cabal) e Sicredi (Cabal).

Condições Financeiras

Para realizar compras o portador deve acessar: www.cartaobndes.gov.br e tem como condições financeiras:

  1. Até R$ 1 milhão como limite de crédito (por banco);
  2. Pode parcelar em até 48x;
  3. As taxas de juros são pré-fixadas.

Vantagens do cartão BNDES

Rapidez para liberação do dinheiro

Em razão de o crédito ser pré-aprovado, o portador do cartão não precisar esperar que o Banco aprove a liberação do dinheiro.

Infinidade de equipamento que podem ser adquiridos

O portador pode utilizar o cartão BNDES para comprar os mais variados tipos de equipamentos para utilização na sua atividade econômica. Além disso, são permitidos a contratação de alguns serviços, contudo, são proibidas as compras de equipamentos (mais de 150 mil itens) que não são compatíveis com as funções que a empresa exerce.

Taxa pré-fixada e isenção de taxa de anuidade

A segurança disponibilizada ao portador, em virtude de a taxa (uma das menores do mercado) ser pré-fixada é enorme. Logo, a taxa inicial é a mesma que será cobrada até a última parcela. Assim, é possível ter em mente o valor correto de cada prestação a ser paga, sem correr o risco de sofrer um aumento linear nas parcelas que podem ser em até 48x. Ademais, não é cobrada qualquer tipo de taxa de anuidade pela liberação do crédito.

O portador pode utilizar diversas vezes o cartão BNDES

Conforme mencionado anteriormente, o crédito disponibilizado é de até R$ 1 milhão. Isso significa que enquanto o limite não for atingido, o portador pode utilizar várias vezes o seu cartão para o investimento no seu negócio. Não há o stress de precisar ficar indo ao Banco cada vez que precisa de um novo crédito para aquisição de equipamento ou serviço.

Vantagens para o fornecedor

Não é apenas o portador do cartão BNDES que possui uma série de vantagens, afinal, para o fornecedor o BNDES é extremamente vantajoso. Vale destacar as quatros principais vantagens: seus produtos são expostos de maneira gratuita no site do cartão BNDES; o capital de giro tem um comprometimento reduzido; o fornecedor tem a garantia de receber a venda em até 30 dias; e o financiamento é realizado de maneira automática para o seu cliente em até 48 prestações mensais.

Portanto, são diversas as vantagens disponibilizadas pelo cartão BNDES, tanto para o portador do cartão, quanto para o fornecedor dos produtos. Com esse tipo de investimento facilitado, as empresas podem buscar o seu lugar no mercado e crescer gradativamente.

Acesse Templum e conheça o software com excelência para o gerenciamento e a automação de consultorias!

Tecnologias para aumentar a produtividade

Não dá para negar que a tecnologia mudou o rumo de muitos mercados e tem facilitado cada dia mais na otimização de processos e agilidade na produção e execução de tarefas.

Em meio a este cenário é possível observar que muitas empresas ainda deixam de lado o investimento nestes recursos, por ainda considerarem um fator desnecessário para o foco de seus negócios.

Mas afinal, como a tecnologia pode ajudar minha empresa a ser mais produtiva? Acompanhe os detalhes a seguir:

Tecnologia para melhorar a gestão

A busca por melhorias na gestão das empresas é sempre um objetivo comum entre os empresários. Em meio a este desejo, é comum observarmos a dificuldade em padronizar processos, focar em soluções, aproximar colaboradores, entre outros fatores essenciais para obter maior qualidade e produtividade no trabalho.

Com o uso da tecnologia é possível utilizar softwares para centralizar as informações, unindo assim, uma base de dados para tomada de decisões e acompanhamento de atividades.

Deste modo, o uso de sistemas de TI para implementação de gestão empresarial, tende a ser um grande facilitador para que as empresas possam promover o cruzamento de informações, consultar dados, gerar, acompanhar e cumprir cronogramas de atividades e analisar informações para promover ações.

Um exemplo a ser citado, está no uso de softwares para implementar as normas ISO na empresa. Logo, por meio desta tecnologia é possível centralizar as informações e unir colaboradores para atingir o objetivo desejado.

Vantagens da tecnologia para aumentar a produtividade

Saber como a tecnologia pode ajudar a sua empresa a ser mais produtiva é um dos fatores essenciais para avaliar o custo-benefício para investir nestes recursos. Deste modo, separamos a seguir, algumas das principais vantagens que a tecnologia proporcionará para o melhor desempenho da empresa. São eles:

  • Automatização de processos e facilidade de controlar fluxo de informações;
  • Redução de erros operacionais, aumento da confiabilidade e redução da necessidade de retrabalhos;
  • Centralização de informações para rápida tomada de decisões;
  • Redução de custos com mão de obra;
  • Agilidade para a execução de processos e coleta de informações;
  • Possibilidade de trabalho remoto;

Investindo em tecnologia

Em meio a uma época onde os empresários acabam recuando seu investimentos pelas dúvidas a respeito do futuro cenário econômico, o investimento em tecnologia em muitos casos, acaba sendo deixado de lado.

Saber avaliar o real valor da tecnologia é essencial para reconhecer que até mesmo em fases economicamente desfavoráveis, é possível se beneficiar com os recursos tecnológicos.

Além disso, atualmente existem facilidades que garante a possibilidade de investimentos nesta área sendo um ótimo exemplo, o financiamento por meio do cartão BNDES para empresas de qualquer porte. Deste modo, o empresário que deseja investir em tecnologia, seja ela, hardware ou software, terá a vantagem em poder utilizar este cartão para estes fins.

Conforme abordado acima, empresas que buscam aumentar a produtividade, devem avaliar a importância da tecnologia para a implementação de sistemas de gestão, que possibilitarão uma melhor organização de seus processos.

Vale destacar que, mesmo com possibilidades economicamente desfavoráveis, as empresas poderão adquirir sistemas e demais recursos tecnológicos utilizando o cartão BNDES, que possibilitará melhores condições de financiamentos.

E você, como utiliza a tecnologia para aumentar a produtividade em sua empresa? Compartilhe conosco comentando abaixo?

Aproveitando ISO 9001 para alcançar o real valor de negócios

Independente do mercado em que se atua, as empresas em sua maioria estão sempre preocupadas com suas reputações, com a concorrência, além da conquista e fidelização de seus clientes.

Apesar destas preocupações, são poucos os empresários que buscam se diferenciar e melhorar a qualidade de seus processos afim de obter melhores resultados.

Um grande diferencial para qualquer setor é a certificação ISO 9001, que além de ser reconhecida mundialmente, possibilita melhores resultados para as organizações. Mas afinal, como minha empresa poderá se beneficiar com esta certificação? Veja os detalhes a seguir:

A ISO 9001

A ISO possui um grupo de normas que avaliam a qualidade das empresas, sendo representada pela ISO série 9000. Neste grupo, está a ISO 9001 que trata dos requisitos de sistemas para gestão da qualidade.

A conquista do certificado ISO 9001 pode ser adquirida por empresa de pequeno a grande porte e de quaisquer segmentos, e neste caso, a certificação irá comprovar e reconhecer de maneira nacional e internacional a qualidade do trabalho, assegurando boas práticas na gestão e relacionamento entre clientes e fornecedores, entre outros fatores.

As empresas que desejam se certificar com a ISO 9001 devem cumprir algumas exigências. Nesta fase, cada empresa implementa seu sistema de qualidade baseado em suas necessidades e de acordo com a norma. Por fim, a empresa solicita a auditoria por meio de um órgão certificador que por sua vez, emitirá um relatório certificando a empresa.

Como minha empresa pode se beneficiar com a ISO 9001?

Reconhecida mundialmente, a ISO 9001 vai além de um papel emoldurado no escritório da empresa. Deste modo, quem deseja alcançar maior valor em seus negócios deve avaliar a possibilidade de se certificar.

Para que se possa conhecer um pouco mais os benefícios da ISO 9001, separamos a seguir algumas das principais vantagens desta certificação para os negócios:

  • Grande diferencial para conquistar clientes que preferem negociar somente com fornecedores certificados;
  • Possibilita melhor desenvolvimento dos colaboradores;
  • Redução de custos com a minimização de desperdícios e otimização de processos;
  • Aumento da competitividade;
  • Quando aliada ao marketing, a ISO 9001 representa um grande diferencial em relação à concorrência, já que demonstra a preocupação da empresa em estar comprometida com a melhoria contínua de seus processos;
  • Com requisitos direcionados à satisfação do cliente, a ISO 9001 também foca para que as necessidades dos clientes sejam sempre atendidas.
  • Possibilidade de ampliar mercados;
  • Possibilita a continuidade de processos mesmo com a troca no quadro de funcionários, já que atividades são documentadas para ser utilizadas de maneira prática;

Conforme apresentado, foi possível conhecer a importância em obter a certificação ISO 9001 para comprovar a excelência na qualidade de processos da organização e aumentar o valor dos negócios.

Vale ressaltar que ao obter a certificação, a empresa deve dar continuidade na gestão de seus processos conforme exigidos pelas normas da ISO 9001. Isto porque, cada certificação tem a duração de 3 anos e dentro deste período a empresa é auditada. Logo, em casos de irregularidades, a certificação é suspensa antes do período de expiração.

Por fim, vale destacar que antes de solicitar a certificação para sua empresa, recomenda-se efetuar uma consultoria para organizar os processos e adequar as atividades conforme exigidos pela norma.

Gostou da dica? E você, já possui a ISSO 9001 em sua empresa? Conte-nos a sua experiência!

Como funciona o cartão BNDES?

O cartão BNDES é uma solução disponibilizada pelo Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social criada para financiar investimentos das micro, pequenas e médias empresas brasileiras. O processo para solicitação do cartão, que oferece um limite de crédito que pode ser pago em até 48 meses, é simples e prático. Descubra, neste post, como funciona e quais são as principais vantagens deste tipo de financiamento:

Saiba mais sobre o cartão BNDES
Este cartão foi criado para financiar investimentos de empresas com faturamento de até 90 milhões de reais por ano e sediadas no Brasil. As principais vantagens em recorrer a este financiamento são as taxas de juros atrativas – que podem ser consultadas mensalmente na página inicial do site do cartão – as prestações fixas e iguais e a possibilidade de pagamento em até 48 meses. O crédito, que pode ser de até R$1 milhão, só pode ser gasto com os produtos disponibilizados no site. São mais de 140 mil opções de itens que podem ser úteis para variados setores. Banheiros portáteis, por exemplo, muito utilizados por empresas produtoras de eventos. Papéis de parede, equipamentos para construção civil, instrumentos musicais, sinalizadores, cortinas, tapetes, panelas e talheres são outros dos produtos que podem ser comprados com o cartão BNDES. Acesse o link para ver a lista completa.

Entre os bancos que podem emitir este cartão estão: o Banco do Brasil, o Banrisul e o Bradesco – pela bandeira Visa – e a Caixa Econômica Federal – pela bandeira Mastercard. A solicitação pode ser feita pelo site e é muito simples.

Como solicitar o cartão
Se você é proprietário de uma micro, pequena ou média empresa, com faturamento bruto de até 90 milhões de reais anuais, que exerce atividade econômica compatível com as políticas operacionais e de crédito do BNDES e está em dia com o FGTS, RAIS e com os tributos federais está apto a obter o cartão. Para isso, você deve acessar a página de solicitação do site e preencher os dados da empresa, como o CNPJ e o ramo de atividade. Depois de completa a proposta de solicitação, o empresário deve enviá-la para o banco emissor escolhido.

O valor do limite do cartão é atribuído pelo banco emissor após uma análise de crédito e pode ser de até R$1 milhão. Vale destacar que uma mesma empresa pode ter mais de um cartão BNDES, de bancos emissores diferentes.

Como ser um fornecedor
Outro ponto interessante desta solução criada pelo Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social é a possibilidade da empresa se cadastrar como fornecedora do site e poder aceitar o cartão BNDES como forma de pagamento. Podem se cadastrar empresas com índice mínimo de nacionalização de 60%, fabricantes de bens e insumos úteis para os setores autorizados pelo BNDES. O cadastramento também pode ser feito pelo site. Basta que o empresário acesse a página da proposta de afiliação e preencha os campos solicitados.

Depois que o cadastro é aprovado pelo BNDES e que o processo de afiliação com a administradora do cartão é concluído, a empresa já pode disponibilizar o seu catálogo de produtos no site do cartão. As vendas com este meio de pagamento devem ser feitas exclusivamente pelo site.

O que você acha desta solução de financiamento voltada para as micro, pequenas e médias empresas? Comente sua opinião.

Conheça o cartão BNDES e saiba como obtê-lo

Ainda não utiliza o cartão BNDES? Você pode estar perdendo uma grande oportunidade de investir no crescimento da sua empresa. O cartão BNDES é uma espécie de cartão de crédito que possui como objetivo financiar investimentos de micro, pequenas e médias empresas e também do MEI – micro empreendedor individual. O cartão é oferecido pelo Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES e através dele sua empresa tem acesso a diversos benefícios. Conheça mais sobre o cartão e como obtê-lo:

Principais Vantagens do Cartão BNDES

O objetivo do cartão é facilitar o processo de aquisição de bens e determinados serviços pelas empresas. Os benefícios oferecidos são o crédito rotativo pré-aprovado de até 1 milhão por banco emissor, financiamento automático em até 48 meses, prestações fixas e iguais e taxa de juros atrativa e diferenciada em relação aos financiamentos comuns.

Quais empresas podem obtê-lo?

Não são todas as empresas que podem utilizar o cartão BNDES, ele é oferecido para micro, pequenas e médias empresas, que possuam faturamento bruto anual de até R$ 90 milhões e estejam sediadas no Brasil. Além disso a empresa precisa estar em dia com tributos federais, FGTS e RAIS.

Para ter direito a utilização do produto é preciso estar no grupo de empresas que exercem atividades que estejam de acordo com as Políticas Operacionais e de Crédito do BNDES. Estão excluídas desse grupo:

  • Empreendimentos relacionados a jogos de prognósticos;
  • Comércio de armas, motéis, saunas e termas;
  • Empreendimentos do setor de mineração que incorpore processo de lavra rudimentar ou garimpo
  • Empresas com atividade bancária ou financeira;
    Ações e projetos sociais contemplados com incentivos fiscais.

Como solicitar o cartão da sua empresa?

A solicitação do cartão pode ser realizada através do site do BNDES ou diretamente no banco onde sua empresa possui conta corrente. Os bancos que emitem o cartão são: Banco do Brasil, Banco do Nordeste, Banrisul, Bradesco, BRDE, Caixa Econômica, Itaú, Santander, Sicoob e Sicredi.

Para fazer o pedido via internet, acesse o site do BNDES, www.cartaobndes.gov.br e escolha a opção “Solicite o seu cartão BNDES”. Você deve escolher o banco que será o emissor do cartão e a bandeira desejada: Cabal, Elo, Mastercard ou Visa. Após isso, preencha a ficha de solicitação do cartão com os dados cadastrais de sua empresa.

Quais os custos?
Os custos de emissão do cartão podem variar de acordo com o banco emissor escolhido, que está autorizado a fazer a cobrança da TAC – Tarifa de Abertura de Crédito. Essa tarifa não pode exceder o valor de 2% do limite de crédito concedido.

Quanto aos custos de utilização, não existe cobrança de IOF nas operações realizadas com o cartão BNDES.

Em que utilizar o cartão BNDES?

Sua empresa pode adquirir inúmeros bens com o cartão BNDES, são mais de 140 mil itens, desde equipamentos de informática, insumos, autopeças, serviços de pesquisa e até qualificação profissional. O catálogo completo de produtos e serviços está disponível no site www.cartaobndes.gov.br.

Essa é a hora de começar a utilizar os benefícios oferecidos pelo BNDES para sua empresa. Converse com o gerente do seu banco, solicite o cartão e invista em crescimento e melhorias para sua empresa.

Sua empresa já possui o cartão BNDES? Compartilhe com a gente sua experiência nos comentários.

Atração e retenção de clientes em tempos de crise: como fazer?

Não é novidade que a economia nacional tem passado por momentos desfavoráveis na atualidade. Isto porque após um ano eleitoral, é comum observarmos as mídias explorarem assuntos relacionados à corrupção, aumento da taxa de desemprego, alta no dólar, aumento de juros entre outros fatores negativos.

Como reflexo de uma época em que já se fala em crise econômica, observa-se que a maioria das empresas já estão sentindo o efeito negativo relacionado às baixas em vendas e queda nas negociações. Mas em paralelo a esta situação, existe algumas ações que as empresas podem praticar para atrair e reter clientes em tempos de crise. Deste modo, separamos a seguir algumas dicas para auxiliar os empresários neste quesito. Acompanhe!

Compreenda seu público

Sabe-se que em um período de crise, ambos os lados podem estar em dificuldades. Logo, procurar compreender seu público alvo é a primeira maneira de conhecer as suas necessidades e atuar para supri-las. Neste caso, a empresa já sabe que o fator preço é um dos principais motivos de queda nas negociações. Deste modo, vale a pena criar uma estratégia para trazer ao mercado preços que se adequem à atual situação. Alguns exemplos neste caso podem ser:

  • Redução de gastos desnecessários;
  • Criação de nova linha de produtos ou serviços alternativos com preço mais acessíveis;
  • Oferecer complementos pelo menor preço. Exemplo: entrega grátis, instalação por conta da empresa, entre outros.

Socialize-se

A internet tem sido um dos maiores canais de comunicação e negociação entre clientes e empresas. Deste modo, se sua empresa ainda não faz parte deste mundo digital, você está perdendo uma grande fatia de mercado. Por outro lado, para as empresas que já estão na internet, recomenda-se também manterem o foco nas estratégias de marketing digital por terem ótimo custo benefício. Nesta fase recomenda-se:

  • Manter o site da empresa atualizado.
  • Ter um blog corporativo para abordar assuntos relacionados ao nicho da empresa e despertar o interesse dos leitores em conhecer e negociar com a empresa.
  • Possuir perfis em redes sociais, de modo a ampliar a comunicação com os leitores e clientes, criando assim um conceito com a marca da empresa.
  • Fazer uso de e-mail marketing com base em lista de contatos cadastrados em newsletter do website e blog da empresa, entre outros.

Faça parcerias

As parcerias são recursos bem-vindos em qualquer época, e em um momento economicamente desfavorável não é diferente, já que este recurso não necessita de investimentos de capital para divulgação. Deste modo, recomenda-se basicamente dois tipos de parcerias:

Fornecedores: Este tipo de parceria traz a possibilidade de oferecer ao consumidor produtos e serviços com melhores preços.

Entre empresas: A parceria entre empresas cria um vínculo de autoajuda entre os envolvidos de modo que todos recebem e ajudam aos demais. Exemplo: Ganhar descontos para um jantar em um restaurante ao efetuar compras acima de R$50,00 reais em uma loja de roupas.

Pós-venda e Feedbacks

O pós-venda é um dos fatores mais relevantes para a fidelização de clientes, além de ser um ótimo diferencial para empresas em quaisquer setores. Além disso, um cliente satisfeito tende a dar feedbacks positivos para as empresas de modo que outros supostos clientes possam conferir suas opiniões e virem a negociar com a empresa.

Outro ponto importante nesta fase, está em obter espaços onde o consumidor possa opinar a respeito dos produtos e serviços a fim de trazer um meio onde a empresa possa buscar melhorias constantes para conquistar novos clientes.

Melhore a gestão

Há um ditado que diz que não se pode obter uma gestão do que não se pode mensurar. Esta afirmação reflete no fato de que muitas empresas estão perdidas em seus mercados, e em tempos de crise suas bases não estão sólidas o suficiente para superarem os desafios.

Deste modo, torna-se essencial conhecer a fundo todos os aspectos que envolvem otimização de processos baseado nos seguintes questionamentos:

  • Minha empresa possui o atendimento adequado aos clientes?
  • Qual a necessidade de nossos consumidores e qual problema devemos ajudá-los a solucionar?
  • Que tipo de estratégias nossos concorrentes estão utilizando para conquistar novos clientes?
  • Como podemos descobrir as oportunidades em nosso nicho e qual o momento correto para os investimentos?
  • Possuímos uma equipe engajada e comprometida?

Com estes e outros questionamentos em mente, há a necessidade de posicionar a gestão da empresa adequadamente de modo a criar estratégias eficientes para promover a atração e retenção de clientes. Uma excelente dica nesta fase é optar pela contratação de consultorias específicas, tendo à disposição profissionais qualificados para auxiliar a empresa em seu crescimento e ganho de destaque no mercado.

De acordo com as dicas aqui citadas, foi possível conhecer algumas ações para atrair e reter clientes em tempos de crise.

Vale ressaltar que apesar de existirem diversas opções para melhorar o nível de negociações nesta fase, a gestão eficiente da empresa é sem dúvidas a principal forma de conhecer onde, quando e o que deve ser ajustado para conquistar novos clientes.

Deste modo, antes de se tomar quaisquer ações externas, recomenda-se organizar os processos de gestão interna da empresa, optando até mesmo por consultorias especializadas.

E você, tem alguma sugestão para atrair e reter clientes em tempos de crise? Conte-nos!

Como garantir o sucesso de um evento corporativo

As companhias já perceberam o potencial dos eventos corporativos em termos estratégia de marketing. Essas ocasiões são úteis no processo de atração e fidelização de clientes, na melhoria do relacionamento com fornecedores e parceiros externos, além de potencializar os resultados de treinamentos de funcionários. Mas a preparação de um evento sempre gera tensão. Como reagir se houver problemas? O que fazer se algo der errado? Como evitar comprometer a imagem do cliente e também da empresa contratada para organizar tudo?

Não há fórmula mágica para o sucesso de um evento corporativo. Tudo depende de planejamento, organização e muito trabalho. No entanto, há uma espécie de plano de ação consagrado pelas empresas do setor.

Perfil

Antes de planejar a atividade, é necessário ter clareza sobre o objetivo e o público alvo do evento. No caso do lançamento de um produto, há a necessidade de produzir material capaz de estimular a interação dos convidados com a empresa. O conteúdo deve ser de entretenimento informativo.

Se o objetivo é estreitar o relacionamento com parceiros externos, a estratégia mais indicada consiste em oferecer informação relevante sobre o negócio e os benefícios decorrentes da atuação conjunta. Cada um dos convidados deve se sentir parte importante de uma atividade econômica importante.

Mas o que fazer no caso de um treinamento de funcionários? A concepção do evento privilegiará atividades que promovam a participação e estimulem a descontração. Esse momento também representa uma excelente oportunidade para a promoção de ações internas da empresa.

Plano de ação

A organização do evento corporativo requer atenção na elaboração de um plano para sistematizar as ações. Independentemente do porte da atividade, tudo deve ser organizado de forma e evitar erros e antecipar situações críticas. Eis as principais etapas do plano de preparação de um evento empresarial:

1- Orçamento
A verba disponível deve se adequar ao porte do evento. Muitas vezes o cliente desconhece a composição dos custos e pensa em formatos incompatíveis com o budget. O responsável pela produção pode oferecer soluções alternativas ou mostrar a impossibilidade de realização do evento com o volume de recursos alocados.

2- Planejamento
Quanto maior a antecedência, melhores serão as condições para reservar local, pesquisar fornecedores, alugar equipamentos, contratar equipe de cerimonial e negociar preços e prazos de pagamento. Há ainda a necessidade de checar a necessidade de documentos como licenças, seguros, alvarás etc.

3- Informações registradas
Todo o processo de organização deve ser documentado: negociações encaminhadas, contratos fechados, preços e prazos acordados, obrigações e direitos dos envolvidos (cliente, empresa organizadora e fornecedores) e contatos com atrações especiais. Isso permite estabelecer mapas de acompanhamento das tarefas, monitorar prazos e solucionar pendências rapidamente.

4- Público
A grande “estrela” do evento é o público. Garantir que ele tome conhecimento da programação tem absoluta importância. Por isso, a divulgação deve começar 40 dias antes do evento. A estratégia depende do perfil dos convidados e do objetivo da atividade. Mas algumas alternativas costumam apresentar bons resultados: criação de hot site, campanha de e-mail marketing e uso das redes sociais com a divulgação de informações como data, horário, endereço, mapa de localização e pequenas pílulas que agucem o interesse em participar.

5- Materiais e brindes
O conceito dos materiais utilizados e dos brindes oferecidos aos participantes deve manter a coerência com a proposta do evento. Imagine o constrangimento causado em um seminário sobre sustentabilidade em que impressos não utilizam papel reciclado.

6- Montagem
Esta etapa requer atenção especial, principalmente com as questões relativas à segurança. Altura de telões, ligações elétricas, instalação de equipamentos e posicionamento da equipe de prevenção de incêndio são detalhes importantes.

7- Transporte
A organização do evento só contratará empresas devidamente legalizadas e em dia com exigências de fiscalização. Evite recorrer a autônomos, pois muitos atuam de forma clandestina.

8- Véspera
Toda a estrutura deve estar montada, para a realização de testes. Os ensaios revelam falhas de montagem ou a necessidade de ajustes. O ideal é tentar reproduzir o máximo possível as condições do evento.

9- Dia D
No dia do evento, um representante da empresa organizadora ficará encarregado de acompanhar o cliente, recebendo pedidos do contratante, identificando possíveis insatisfações e buscando resolvê-las rapidamente. Um membro da equipe cuidará das demandas apresentadas pelo mestre de cerimônias. Atenção especial na recepção dos convidados, que devem receber todas as informações necessárias sobre o evento, além do material produzido.

10- Pós-evento
O trabalho de organização do evento corporativo não se encerra no dia da atividade. Ainda há relatórios e prestações de contas que precisam ser elaborados e entregues ao cliente. Além disso, esse momento serve para avaliação dos acertos e falhas.

Para a empresa responsável por produzir eventos corporativos, o sucesso de um seminário ou de uma convenção pode ser medido pela satisfação do cliente e pela reação do público. Mas o êxito depende basicamente do grau de organização e planejamento das diversas tarefas que envolvem a preparação do evento. O ideal é fugir do improviso e tentar se antecipar aos problemas.

Você tem alguma dúvida sobre a organização de eventos empresariais? Quer mais dicas? Deixe aqui o seu comentário.

O que é um Programa Setorial da Qualidade?

PSQ é um acordo que pode ser elaborado por entidades de classe/associações (Municipais, Estaduais ou Nacionais), instituições públicas ou privadas, autarquias, que regulamentam os requisitos de qualificação e são assinados entre as partes interessadas: o poder de compra e a respectiva cadeia produtiva. Essa regulamentação deve ser preparada a quatro mãos pelas partes interessadas.

Já existem PSQ´s para alguns setores da cadeia produtiva da Construção Civil (PBQP-H), setores de serviços como Empresas Contábeis (PQEC), no setor de transportes de produtos perigosos (SASSMAQ), entre outros.

As entidades setoriais de produtores ou prestadores de serviços devem considerar a implantação de Programas Setoriais da Qualidade – PSQ, incluindo requisitos éticos e técnicos contra a não-conformidade, baseado em Sistemas de Gestão já testados e comprovados, envolvendo toda a cadeia de maneira que desenvolva:

  • Aprimoramento dos processos internos e da estrutura;
  • Capacitação e atualização profissional;
  • Diferencial de mercado;
  • Atualização de acordo com as mudanças do mercado e a globalização do setor;
  • Fidelização dos clientes;
  • Qualidade nos serviços prestados;
  • Novas tendências de atuação;
  • Melhoria contínua nos serviços prestados.

Assim, ocorrerão ações articuladas entre as associações setoriais e instituições privadas em âmbitos nacional e regional, visando ao combate à não-conformidade e à proteção e defesa dos usuários finais.

Na elaboração de Programas Setoriais da Qualidade – PSQ devem ser consideradas as seguintes ações principais:

  1. Princípios e requisitos normativos (Exemplo – ABNT ISO 9001), envolvendo desenvolvimento e apresentação da metodologia para a determinação do(s) indicador(es) de conformidade técnica setorial/setoriais e plano de avaliação dos mesmos.
  2. Princípios legais e regulamentares do setor;
  3. Know-how de mercado.

Pode-se observar que, para atingir a meta proposta, a organização das entidades setoriais em Programas Setoriais da Qualidade – PSQ’s terá papel mobilizador e integrador das empresas que desejam produzir/prestar serviço com qualidade.

Será também o grande mecanismo de informação e apoio no combate às empresas que praticam a não-conformidade intencional.