Como traduzir estratégia em processos

No seu dia-a-dia no mundo corporativo, você com certeza se depara com frequência com os termos estratégia e processos. Mas você alguma vez já parou para pensar no que eles realmente significam e na relação que deve existir entre eles?

Nesse post, vamos falar um pouco mais sobre esses conceitos, a relação entre eles e, principalmente, como a estratégia adotada pela sua empresa pode ser incluída nos processos.

O que significam esses conceitos?

Se você acessar agora a Wikipedia para entender o significado de “processo” no mundo corporativo, vai encontrar a seguinte definição: “processo é a sequência de atividades realizadas na geração de resultados para o cliente, desde o início do pedido até a entrega do produto. De acordo com outro conceito mais moderno, que é multidisciplinar, é a sincronia entre insumos, atividades, infraestrutura e referências necessárias para adicionar valor para o ser humano”. Nas empresas os processos se tornam importantes por várias razões: atender exigências legais, garantir parâmetros de qualidade e manter a organização das atividades, por exemplo.

Já a palavra “estratégia” está definida na enciclopédia eletrônica como: “a forma de pensar no futuro, integrada no processo decisório, com base em um procedimento formalizado e articulador de resultados”. Ou seja, ter uma estratégia é fundamental para que uma empresa saiba onde quer chegar e quais os caminhos que serão escolhidos para isso.

Por que você deve construir seus processos como parte de sua estratégia?

Assim que sua empresa tiver uma estratégia bem definida, esta estratégia deverá ser transformada em um planejamento estratégico, que vai traçar quais os caminhos que serão utilizados para alcançar os seus objetivos. E é aí que entra a relação entre os processos e a estratégia. Uma vez que você souber quais caminhos vai usar é preciso garantir que seus processos estejam adequados para seguir por eles.

Alinhar seus processos com a sua estratégia é, portanto, fundamental para que ela tenha sucesso.

Como traduzir estratégia em processos?

Existem muitas coisas que você pode fazer para traduzir a sua estratégia empresarial em processos. Confira algumas delas:

  • Para que a estratégia permeie todos os processos, é fundamental que todos os colaboradores e gestores conheçam a fundo a estratégia e os objetivos da empresa, assim, além de contar com o comprometimento de todos, será mais fácil contar com toda a equipe na avaliação e remodelação dos processos. Assim, é possível garantir que a estratégia e os processos serão vistos não apenas como papéis com palavras bonitas, mas como diretrizes para guiar as ações e decisões na empresa.
  • Um outro ponto fundamental para o alinhamento entre os processos e a estratégia, é o mapeamento e a avaliação de todos os processos. Assim é possível identificar quais processos estão alinhados com a estratégia e quais precisam ser modificados.
  • Capacitar o seu time para a execução correta dos processos também é muito importante.
  • Avaliar os resultados continuamente é outra tarefa fundamental para determinar os processos que estão tendo sucesso e os processos que não estão funcionando.

Traduzir a estratégia em processos não é uma tarefa simples, mas é fundamental para o sucesso da sua empresa. Essa é uma missão que deve ser levada a sério e se refletir na cultura da organização e dos seus colaboradores para que todos trabalhem com os mesmos objetivos.

Em sua empresa como os processos são definidos? Até que ponto eles refletem a sua estratégia? Conte a sua experiência pra gente nos comentários.

Saiba como tirar o seu planejamento do papel e torná-lo realidade

Um planejamento estratégico bem elaborado indica a direção, identifica oportunidades e possibilita o seu melhor aproveitamento, aponta riscos e ameaças a serem administrados, mas sem ação, nada disso importa. Em outras palavras, o planejamento deve servir como um guia para o gestor e ajudá-lo a corrigir possíveis desvios no caminho rumo ao objetivo definido. Porém, a colocação dele em prática é outra história e configura como o empresário poderá atingir os resultados planejados.

Segundo Thomas Edison, desenvolvedor de muitos dispositivos de interesse industrial, o planejamento é responsável por apenas 1% dos resultados obtidos, enquanto os outros 99% ficam por conta da ação. Com base nessa afirmação, ficamos inspirados e desenvolvemos esse post para você que ainda não decidiu tirar o seu planejamento do papel e torná-lo realidade. Vem conhecer as dicas que aumentarão as suas chances de sucesso!

1. Dê importância ao “como fazer” para justificar “o que fazer”

Geralmente, os gestores gastam muito tempo desenvolvendo um planejamento estratégico e definindo o que fazer para que os objetivos da empresa sejam alcançados. O problema é que sem especificar uma forma detalhada de como fazer isso a tarefa se torna mais difícil e, ao apresentar resultados abaixo do esperado, aumenta o risco do planejamento ser abandonado no processo. Definir o que fazer é importante, mas concentrar as suas forças para focar no como fazer tirará a impressão de superficialidade do projeto. É o diferencial que trará os resultados e garantirá o sucesso do seu planejamento estratégico.

2. Garanta o envolvimento de toda a empresa no planejamento

Ok. Definido o que fazer e, principalmente, como fazer para tornar a teoria em prática, é hora de garantir que o seu empenho não aconteça em vão. Motivar a equipe de trabalho pode ser uma tarefa difícil, mas o envolvimento de todos será crucial para garantir o sucesso do planejamento como um todo. É importante demonstrar como cada colaborador representa um pilar de sustentação na estratégia e como o baixo desempenho de um pode colocar em cheque todo o planejamento. Mostre também os benefícios que eles terão além da empresa e faça-os se sentirem importantes e integrados aos valores que o negócio defende.

3. Divida o planejamento em metas por etapas

Um objetivo pode ser mais facilmente alcançado quando é divido em metas por etapas e partilhado entre os departamentos responsáveis. Um planejamento estratégico anual, por exemplo, envolve objetivos a serem alcançados em cada departamento da empresa, representando uma parte do objetivo principal. Ao dividi-lo em etapas com metas mensais e análises dos resultados obtidos, as chances de correção de desvios são maiores e contribuirá para manter a motivação dos funcionários ao longo do percurso.

4. Ofereça os recursos necessários para a execução do planejamento

Colocar um planejamento estratégico em prática depende inteiramente da estrutura que o gestor irá montar para a sua ação. Leve em consideração a metodologia que utilizará para garantir as melhores práticas (metodologias ágeis), as ferramentas tecnológicas ideais para estimular essas práticas (softwares e equipamentos), os recursos materiais necessários para a produção e a preparação da equipe para o trabalho. Todos esses fatores combinados devem formar uma estrutura suficiente para a execução do seu planejamento estratégico de forma mais eficiente.

5. Tenha o apoio de um parceiro com experiência para ajudar

Desenvolver um bom planejamento estratégico sozinho é possível, mas sentir a sua eficiência na prática vai depender do grau de conhecimento e experiência que os gestores terão para executá-lo corretamente. Nesse ponto, contar com o apoio de uma consultoria especializada pode fazer toda a diferença. A transferência de Know howpode ampliar os horizontes da empresa e ajudar a identificar e aproveitar oportunidades para a expansão de mercado, adoção de inovações e a utilização das melhores práticas existentes no mundo. Além disso, é um passo importante para a obtenção de uma certificação ISO e elevar o profissionalismo e a credibilidade da empresa no mercado.

Agora queremos saber de você. O que considera importante na hora de tirar um planejamento do papel e torná-lo realidade! Conta para nós!

Um planejamento estratégico bem elaborado indica a direção, identifica oportunidades e possibilita o seu melhor aproveitamento, aponta riscos e ameaças a serem administrados, mas sem ação, nada disso importa. Em outras palavras, o planejamento deve servir como um guia para o gestor e ajudá-lo a corrigir possíveis desvios no caminho rumo ao objetivo definido. Porém, a colocação dele em prática é outra história e configura como o empresário poderá atingir os resultados planejados.

Segundo Thomas Edison, desenvolvedor de muitos dispositivos de interesse industrial, o planejamento é responsável por apenas 1% dos resultados obtidos, enquanto os outros 99% ficam por conta da ação. Com base nessa afirmação, ficamos inspirados e desenvolvemos esse post para você que ainda não decidiu tirar o seu planejamento do papel e torná-lo realidade. Vem conhecer as dicas que aumentarão as suas chances de sucesso!

1. Dê importância ao “como fazer” para justificar “o que fazer”

Geralmente, os gestores gastam muito tempo desenvolvendo um planejamento estratégico e definindo o que fazer para que os objetivos da empresa sejam alcançados. O problema é que sem especificar uma forma detalhada de como fazer isso a tarefa se torna mais difícil e, ao apresentar resultados abaixo do esperado, aumenta o risco do planejamento ser abandonado no processo. Definir o que fazer é importante, mas concentrar as suas forças para focar no como fazer tirará a impressão de superficialidade do projeto. É o diferencial que trará os resultados e garantirá o sucesso do seu planejamento estratégico.

2. Garanta o envolvimento de toda a empresa no planejamento

Ok. Definido o que fazer e, principalmente, como fazer para tornar a teoria em prática, é hora de garantir que o seu empenho não aconteça em vão. Motivar a equipe de trabalho pode ser uma tarefa difícil, mas o envolvimento de todos será crucial para garantir o sucesso do planejamento como um todo. É importante demonstrar como cada colaborador representa um pilar de sustentação na estratégia e como o baixo desempenho de um pode colocar em cheque todo o planejamento. Mostre também os benefícios que eles terão além da empresa e faça-os se sentirem importantes e integrados aos valores que o negócio defende.

3. Divida o planejamento em metas por etapas

Um objetivo pode ser mais facilmente alcançado quando é divido em metas por etapas e partilhado entre os departamentos responsáveis. Um planejamento estratégico anual, por exemplo, envolve objetivos a serem alcançados em cada departamento da empresa, representando uma parte do objetivo principal. Ao dividi-lo em etapas com metas mensais e análises dos resultados obtidos, as chances de correção de desvios são maiores e contribuirá para manter a motivação dos funcionários ao longo do percurso.

4. Ofereça os recursos necessários para a execução do planejamento

Colocar um planejamento estratégico em prática depende inteiramente da estrutura que o gestor irá montar para a sua ação. Leve em consideração a metodologia que utilizará para garantir as melhores práticas (metodologias ágeis), as ferramentas tecnológicas ideais para estimular essas práticas (softwares e equipamentos), os recursos materiais necessários para a produção e a preparação da equipe para o trabalho. Todos esses fatores combinados devem formar uma estrutura suficiente para a execução do seu planejamento estratégico de forma mais eficiente.

5. Tenha o apoio de um parceiro com experiência para ajudar

Desenvolver um bom planejamento estratégico sozinho é possível, mas sentir a sua eficiência na prática vai depender do grau de conhecimento e experiência que os gestores terão para executá-lo corretamente. Nesse ponto, contar com o apoio de uma consultoria especializada pode fazer toda a diferença. A transferência de Know how pode ampliar os horizontes da empresa e ajudar a identificar e aproveitar oportunidades para a expansão de mercado, adoção de inovações e a utilização das melhores práticas existentes no mundo. Além disso, é um passo importante para a obtenção de uma certificação ISO e elevar o profissionalismo e a credibilidade da empresa no mercado.

Agora queremos saber de você. O que considera importante na hora de tirar um planejamento do papel e torná-lo realidade! Conta para nós!

Dez dicas para tornar o seu planejamento eficiente

Todo empresário busca estabelecer um planejamento eficiente para obter êxito em seu negócio. No entanto, nem sempre ele consegue sucesso nessa tarefa. Às vezes, sequer chega a estabelecer metas. O grande salto qualitativo consiste em transformar “desejos” em resultados concretos. O gestor deve entender que identificar objetivos estratégicos significa apenas a primeira etapa de um processo mais amplo.

Em diversas empresas o planejamento estratégico se concentra em “o que” fazer – e não “em como fazer”. Tal equívoco gera planos de ações inexequíveis ou sem poder de mobilização dos funcionários. É importante que a equipe encarregada de definir os rumos da organização tenha a capacidade de transformar a visão do negócio em realidade. Só assim, o planejamento trará resultados concretos. Veja dez dicas para ajudar na elaboração do plano de ação:

1- Detalhamento

O plano de ação deve trazer claras atribuições, tarefas e prazos. Se ele não apresentar respostas para três questões – quem, o quê e quando –, tem grandes chances de fracassar.

2- Plano

A definição do plano de ação permite à empresa a identificar quais os recursos, o tempo e o dinheiro necessários para a implementação do plano de ação.

3- Foco

Cada meta precisa ser específica, expressando o que se quer alcançar. Quanto maior o grau de precisão, melhor. Por exemplo, a empresa deseja elevar a receita em 20%.

4- Ordem de grandeza

O cumprimento da meta acima apresentada se insere em uma estratégia. Ela deve ser contextualizada, dando-lhe uma medida, uma ordem de grandeza. Assim, a meta passa a ser a elevação da receita em 20% e dentro de 180 dias.

5- Realismo

O plano de ação só receberá apoio da equipe se for realista. Nada de apresentar metas inatingíveis, pois os funcionários logo o verão apenas como “peça de ficção”. Objetivos facilmente atingíveis também comprometem o planejamento estratégico da organização, pois cria a falsa impressão de bom desempenho.

6- Relevância

As metas de um plano de ação devem efetivamente mudar a realidade da empresa. Mobilizar a organização em torno de objetivos que nada transformam representa desperdício de tempo e dinheiro.

7- Cronograma

A implementação do planejamento estratégico, com o cumprimento de metas, requer um cronograma. Aqui vale a máxima “o que não tem data de entrega jamais é entregue”. Prazos são fundamentais para o êxito do planejamento.

8- Colaboração

Aproveite o potencial de toda a sua equipe – e não apenas dos responsáveis pelo plano estratégico. Muitas vezes, o empregado que vivencia uma determinada dificuldade tem a solução para resolvê-la, mas jamais é ouvido. Envolva os funcionários, a partir de estratégias traçadas pelo setor de Recursos Humanos. O planejamento colaborativo apresenta melhores resultados.

9- Avaliação permanente

A execução do plano de ação exige avaliação permanente pela empresa. Isso permite, por exemplo, a redefinição de metas e a adequação do planejamento a mudanças bruscas no mercado ou na economia.

10 – Automação

Planejar requer informação precisa, relatórios detalhados e ferramentas de processamento de registros. Nenhuma empresa hoje consegue crescer sem o uso intensivo de sistemas de automação. A própria definição de metas se dá com base nos dados consolidados da organização e do mercado. Investir em softwares de gestão também é uma forma de chegar ao planejamento eficiente.

O planejamento eficiente dá à empresa a capacidade de identificar mudanças no mercado, antecipar tendências e descobrir oportunidades de negócios ainda não exploradas. Porém tais ganhos dependem de como a organização elabora o seu plano de ação e como o coloca em prática.

Como sua empresa faz o planejamento estratégico? Quais elementos você considera indispensáveis na elaboração do plano de ação? Deixe aqui o seu comentário.

A sua empresa tem estratégia?

A quantas anda o planejamento estratégico da sua empresa? Qual é o seu grande objetivo? Quais forças e fraquezas? Como lidar com a concorrência?

O Planejamento Estratégico é a ferramenta ideal para o empresário que quer que o sucesso não seja apenas um sonho distante. Com o Planejamento, sua empresa vai criar um plano objetivo para curto, médio e longo prazos.

Veja o recado que o Igor Furniel, diretor-executivo da Templum, gravou.

O planejamento estratégico pode salvar a sua empresa?

Segundo o IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário), a falta de planejamento estratégico e o desconhecimento do mercado são os principais fatores de falência ou estagnação de 41% das micro e pequenas empresas brasileiras.

Os dados desta pesquisa são interessantes, pois demonstram que, com a implementação de um planejamento estratégico, a empresa consegue trabalhar nas causas que originam a derrocada da organização, sendo a primeira delas “a falta de planejamento”, e a segunda, “o desconhecimento do mercado”.

Leia mais

Quer administrar com sabedoria? Planejamento estratégico é a solução

As universidades e os institutos educacionais têm se tornado cada vez mais acessíveis à população em geral. Este é um movimento interessante, pois ter acesso à informação de qualidade influirá diretamente na saúde das relações sociais e empresariais.

Uma pessoa atualizada possui um olhar crítico e sabe que entre o preto e o branco existem muitas nuances de cinza. Com acesso à informação, o radicalismo é minimizado e uma nova inteligência passa a fazer parte das rotinas diárias da empresa.

Leia mais

A filosofia no planejamento estratégico

“Quem sou eu? De onde vim? O que faço aqui? Para onde vou?”

Todo mundo, pelo ao menos uma vez na vida, já se viu envolvido por questões e reflexões existenciais. Com o passar do tempo e com o amadurecimento pessoal, essas questões cessam, seja de forma natural ou por terem sido respondidas por alguma religião ou crença espiritual.

No ramo empresarial, não só é pertinente responder a perguntas similares, como as respostas devem ser registradas e disponibilizadas a todos os colaboradores da organização.

Uma empresa deve saber e ter a definição clara das questões: “Quem sou eu?” (Qual o formato do meu negócio e o mercado que atuo?), “De onde eu vim?” (Qual é a história da minha empresa?), “O que eu faço aqui?” (Qual a missão da minha organização?) e “Para onde eu vou?” (Qual é a visão da minha empresa? Onde eu quero chegar?).

O Planejamento Estratégico é a ferramenta que auxilia os empresários e suas respectivas lideranças a responder a essas perguntas. Além de definir os objetivos da empresa, metas, desafios da corporação e a estratégia mais viável e adequada ao momento, a empresa deve adotá-lo visando alcançar aumento no lucro e nos demais resultados almejados, em curto, médio e longo prazos.

Os seus colaboradores e todos os demais agentes estratégicos (comunidade, parceiros, fornecedores, investidores, clientes, entre outros) devem ter acesso e conhecimento dessas informações, pois a eficiência do trabalho de todos esses agentes refletirá no resultado do seu negócio.

Afinal, ninguém faz as malas sem saber para onde vai viajar, muito menos sai com um barco em alto mar sem uma bússola para se orientar.

Antes de qualquer decisão, é preciso analisar o cenário atual, as mudanças e possíveis tendências, estabelecer metas, obter clareza em relação aos canais de venda e a forma mais apropriada de atuação da sua empresa, além de criar estratégias inteligentes e até mesmo estabelecer um plano de ação para possíveis crises econômicas.

A estratégia também faz parte da nossa rotina diária

Dentre as principais ferramentas de gestão empresarial grande ênfase é dada ao Planejamento Estratégico.

De forma mais direta e clara, planejamento “é o ato de pensar e refletir antes de agir e decidir”, mas e o ESTRATÉGICO, o que quer dizer essa palavra?

No livro “Planejamento Estratégico”, de Djalma de Oliveira, este termo é definido como “um caminho, ou maneira, ou ação formulada e adequada para alcançar, preferencialmente de maneira diferenciada e inovadora, as metas, os desafios e os objetivos estabelecidos, no melhor posicionamento da empresa perante seu ambiente, onde estão os fatores não controláveis (…)”

Leia mais

Planejamento é pensar e refletir antes de agir e decidir

No ramo empresarial muito se fala na importância do planejamento estratégico para as empresas. Mas eu lhe pergunto: qual o significado deste termo tão formal?

Afinal, o que é um PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO?

Para facilitar, vamos começar pela palavra PLANEJAMENTO. Nos livros este termo é apresentado como “processo desenvolvido para o alcance de uma situação futura desejada, de um modo mais eficiente, eficaz e efetivo, com a melhor concentração de esforços e recursos pela empresa” (em “Planejamento Estratégico”, de Djalma de Pinho Rebouças de Oliveira).

Confuso, não?

Fugindo dos termos técnicos e fazendo uso de palavras menos formais, podemos dizer que PLANEJAMENTO “é o ato de pensar e refletir antes de agir e decidir”. Agora ficou mais fácil, não?

Vou utilizar exemplos do nosso cotidiano. Imagine o seguinte ato: ACORDAR. Quais os primeiros pensamentos que vêm à sua mente? Geralmente, neste momento passa-se um flash em nossa cabeça com todas as obrigações que temos para aquele dia, que serão cumpridas até a hora de dormir novamente.

Utilizando ainda o ato de acordar, quais atividades estão em nosso cotidiano?

  1. Tomar banho
  2. Trocar de roupas
  3. Preparar o café
  4. Acordar o filho
  5. Deixar o filho na escola

Mesmo que a sua rotina diária seja diferente, eu lhe pergunto: você pensa e reflete antes de agir?

Logicamente que sim! Pensar e refletir são ações que fazem parte da natureza humana. Quantas vezes no percurso para o trabalho pegamos um atalho para fugir do trânsito, ou então, fazemos compras no mercado para a semana toda, visando obter um melhor resultado, com menor desgaste físico, emocional, intelectual, financeiro, e o mais cobiçado de todos, ganhar tempo? São muitas as razões.

Conclusão: o PLANEJAMENTO diário e contínuo acontece, mesmo que de forma intuitiva.

A questão é: você planeja sua rotina de trabalho? O quanto tem sido eficiente o planejamento que está sendo efetuado na sua empresa? Ele tem trazido resultados bons e satisfatórios?